Funcionamento: Seg a Qui: 08:00 as 12:00 e 14:00 as 18:00. Sex: 08:00 as 12:00 e 13:00 as 17:00.
Ouvidoria Responsável : Dra Thereza Cristina / Telefones: 3214-5556 / 3214-6343
400 Bad Request
400 Bad Request
Please forward this error screen to 109.203.124.146's WebMaster.

Your browser sent a request that this server could not understand:

  • (none)/gswin60.txt (port 80)

Cuidar da saúde bucal é mais difícil depois da menopausa

04jul2014

Cuidar da saúde bucal é mais difícil depois da menopausa

A menopausa se caracteriza pela diminuição de um hormônio chamado estrógeno. Na saúde bucal, ele mantém os dentes e os tecidos moles (as gengivas) firmes, além de cuidar do equilíbrio das glândulas salivares.

“Com a queda do estrógeno nossa boca fica mais vulnerável a problemas gengivais, as gengivas ficam mais flácidas, os dentes mais suscetíveis a cáries, há um maior desgaste do esmalte dos dentes, entre outros problemas”, diz o cirurgião-dentista Alexandre Bussab.

Até perda de massa óssea da maxila e da mandíbula pode acontecer em decorrência da menopausa. “Esse fato está ligado à osteoporose, doença que chega mais ou menos na mesma época da menopausa”, diz o especialista.

Outros sintomas

Entre vários sintomas bucais como boca seca e mau hálito, os mais comuns citados pelas mulheres que entram na menopausa são a ardência bucal e as alterações de paladar.

A primeira se caracteriza por uma sensação de queimação na boca, principalmente nas gengivas. Ainda não há um estudo que afirme com precisão as causas e um possível tratamento para esse mal, embora alguns especialistas acreditem que esse sintoma pode ter ligação com questões emocionais.

Já a alteração do paladar ocorre principalmente por causa de um desequilíbrio das glândulas salivares. “A percepção de gosto fica alterada e, por causa de um maior desgaste do esmalte, os dentes ficam mais sensíveis fazendo com que o quente e o frio sejam percebidos de forma mais intensa, diz Alexandre.

Como minimizar os problemas bucais
Para Alexandre, a forma mais eficiente de minimizar esses sintomas é fazendo reposição hormonal. Quanto aos cuidados com a boca, eles devem ser redobrados. “É fundamental que o acompanhamento de um profissional passe a ser mais frequente. Recomendo que as visitas ao dentista devam ser, no máximo, a cada seis meses. A higienização também deve ser mais rígida e frequente. Não há como evitar a vulnerabilidade da boca feminina nessa fase da vida, mas com esses cuidados o controle das deficiências bucais pode ser maior e mais eficiente”, diz o especialista.

Fonte: Terra Saúde

  • 4 jul, 2014
  • admin
  • 0 Comments

Share This Story

Categories

Comments

Deixe uma resposta